Notícias

Dr. Flávio Sant

Terça, 20 Setembro 2016

Dr. Flávio Sant"Ana, Ortopedista do HSI, fala sobre a especialidade ao iSaúde, canal do portal iBahia

Confira informações sobre o campo de trabalho, a formação e os desenvolvimentos do médico ortopedista

Entrevista

 

iSaúde Bahia – O que é a ortopedia? A traumatologia é uma de suas áreas? Qual a diferença entre ambas?

Flávio Sant’Ana – A ortopedia e a traumatologia são as especialidades da medicina que se dedicam ao tratamento do sistema osteomuscular. A diferença é que a ortopedia se encarrega de tratar, por exemplo, dos defeitos adquiridos ou congênitos, bem como as doenças degenerativas (tipo artrose), doenças osteometabólicas (tipo osteoporose), doenças musculares, doenças do sangue ou, ainda, lesões do sistema osteomuscular, decorrentes de defeitos orgânicos na produção de certas enzimas. Já a traumatologia, por sua vez, vai cuidar das fraturas e, também, das lesões decorrentes do trauma nas partes moles (músculos, tendões, cartilagens etc.).

iSB – A ortopedia possui muitas subáreas específicas?

Flávio Sant’Ana – Sim, hoje a especialidade já se divide em inúmeras subespecialidades. Além do trabalho especializado com pé e tornozelo, joelho, quadril, coluna, ombro e cotovelo, mãos, podemos mencionar, também, a ortopedia na pediatria, na medicina desportiva, além do tratamento de tumor ósseo e das doenças osteometabólicas.

 

iSB – Como é o campo de trabalho para o ortopedista? Pode mencionar algumas das áreas de atuação?

Flávio Sant’Ana – Inicialmente, em grande parte dos casos, o campo de trabalho é nas emergências, atendendo ao trauma, e depois nas clínicas de ortopedia, onde existem os consultórios com especialistas que atendem cada um na sua área.
No Hospital Santa Izabel, onde trabalhamos, disponibilizamos para o SUS ambulatórios para oito subespecialidades e todos estão com as agendas sempre repletas e dezenas de pacientes esperando na fila, para serem operados.

 

iSB – Pode falar um pouco sobre o desenvolvimento da ortopedia (ou de seus principais procedimentos) na história? Pode mencionar avanços tecnológicos que contribuíram para a maior eficácia do trabalho ortopédico?

Flávio Sant’Ana – É possível que a ortopedia/traumatologia seja uma das áreas que mais tem evoluído, ao longo dos anos, por conta da incorporação de tecnologias que visam tratar o paciente com cirurgias cada vez menos traumáticas. Um bom exemplo são as cirurgias com vídeos, utilizadas para ombro, joelho, punho, tornozelo, coluna etc. As artroplastias (ou seja, substituição de uma articulação doente por uma articulação artificial), por sua vez, são um avanço incrível e, através delas, conseguimos, por exemplo, tirar de uma cadeira de rodas um paciente que tem artrose nos quadris ou nos joelhos. Uma outra técnica que considero incrível é o chamado transporte ósseo, na qual utilizamos um aparelho denominado fixador externo. Para dar um exemplo, se, em um acidente, um paciente sofreu uma fratura exposta e houve perda óssea, de alguns centímetros na tíbia ou no fêmur, conseguimos fazer com que um fragmento do osso residual seja deslizado, por dentro dos músculos, para a área onde está faltando osso. Essa técnica foi desenvolvida pelo médico russo Gavriil Ilizarov, nos anos 50 do Século XX.

 

iSB – Qual é a duração, em geral, de um curso de ortopedia? Quais são as principais disciplinas que compõem um curso de ortopedia?

Flávio Sant’Ana – O médico, após formado, tem que fazer um concurso para entrar em uma residência em algum serviço de ortopedia. No Hospital Santa Izabel, por exemplo, recebemos seis residentes por ano e, no total, já formamos 123 profissionais. A duração do curso básico é de três anos e, se o profissional quiser fazer uma das subespecialidades, pode continuar por mais um ou dois anos, dedicando-se exclusivamente a essa subespecialidade escolhida. A base da ortopedia é a anatomia musculoesquelética e, depois, o residente vai estudando cada segmento do aparelho locomotor, conhecendo as lesões degenerativas, congênitas, traumáticas e, assim, vai aprendendo como resolver cada situação.

 

Dr. Flávio Robert Sant’Ana / CRM BA-2741

Chefe do Serviço de Ortopedia do Hospital Santa Izabel

Chefe da Residência Integrada Bahiana de Ortopedia e Traumatologia (RIBOT).

Professor Titular de Ortopedia e Traumatologia da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.

 

Confira a matéria na fonte aqui.